Otoplastia


Ao contrário do que normalmente se pensa, as “orelhas de abano” não costumam ser grandes, mas tem um ângulo aumentado com a cabeça e são mais planas pela falta de uma dobra natural, chamada de anti-helix, o que as projeta para fora. A Otoplastia é a cirurgia indicada para a correção desse problema, que afeta ambos os sexos e que causa transtornos sociais desde a infância, se agravando na adolescência. O momento ideal para a sua correção é a dúvida mais frequente entre os pacientes que procuram uma consulta com o seu médico cirurgião plástico. Nesse sentido, o ideal é que a correção aconteça o mais cedo possível, para minimizar os estigmas sociais, como piadas na fase escolar, por exemplo.

No entanto, deve-se esperar que a orelha já esteja totalmente desenvolvida ou próximo disso, o que acontece em torno de cinco a sete anos de idade. Por outro lado, também não existe idade máxima. Portanto, adultos que não tiveram oportunidade ou até mesmo vontade de fazer a otoplastia podem fazê-la a qualquer momento da vida.

Indicações

A Otoplastia é indicada para homens e para mulheres que não estão satisfeitos com a aparência das orelhas. Pode ser feita na infância, na adolescência ou até mesmo na fase adulta. Assim, podem realizar o procedimento:

- Homens e mulheres a partir dos 5 anos de idade, desde que estejam aptos a realizar o procedimento;

- Diabéticos ou portadores de problemas de pressão (hipertensos), desde que a doença esteja controlada e não ofereça riscos à saúde;

- Em relação às grávidas, não recomendamos cirurgias durante a gravidez e o período da amamentação;

- Fumantes devem suspender o cigarro antes e depois da cirurgia, até que a cicatrização se normalize;

- Pessoas diagnosticadas com depressão devem avisar o seu médico durante a consulta pré-operatória, para que sejam tomados os devidos cuidados.

A cirurgia

O procedimento cirúrgico geralmente não dura mais que 90 minutos e pode ser considerado simples. Na maioria dos casos, a anestesia é local com sedação e o período de internação é de um dia ou até menos (12 horas).

O cirurgião faz pequenas incisões atrás da orelha a fim esculpir a cartilagem, reduzindo a distância entre a orelha e o crânio. Dependendo do organismo de cada paciente, a técnica utilizada poderá remover ou não parte desta cartilagem, sempre buscando o resultado mais natural possível. Dependendo da deformidade de cada caso, alguns pacientes têm incisões de aproximadamente 1 a 2 mm, não sendo necessário dar pontos externos nem retirá-los.

Anestesia: pode variar de acordo com o organismo e com condição de saúde de cada paciente, podendo ser apenas anestesia local, local com sedação ou geral.


Termo de informações pré-cirúrgicas

 O conhecimento e o entendimento das informações abaixo mencionadas são muito importantes antes da realização de qualquer Cirurgia Plástica. Estas informações poderão servir como um “MANUAL DE ORIENTAÇÃO”, caso você venha a se operar, recordando-lhe as instruções fornecidas durante a primeira consulta.

As condutas propostas serão conduzidas de acordo com os princípios éticos básicos de respeito pelo ser humano, da minimização de resultados insatisfatórios ou não desejados, dentro de uma conduta adequada e cientificamente aceita.

Existem alguns fatores na evolução da cirurgia que não dependem da atenção do cirurgião, e, portanto, “não será possível garantir resultados”.  Assim, por exemplo, a qualidade de cicatrização que o(a) paciente irá apresentar está intimamente ligado a fatores hereditários e hormonais, além de outros elementos, que poderão influenciar no resultado final de uma cirurgia, sem que o cirurgião possa interferir.

Como resultado da cirurgia existirá uma cicatriz, que será permanente. Todos os esforços serão feitos para torná-la o menos evidente possível. Uma técnica apurada e cientificamente aceita poderá colaborar no sentido de minimizar diversas dessas situações. A colaboração plena do(a) paciente, através do seguimento das instruções dadas pelo cirurgião, no pós-operatório também se reveste de grande importância na obtenção de resultado.

As cicatrizes são conseqüência da cirurgia, portanto, pondere bastante quanto à conveniência de conviver com elas após a cirurgia: elas nada mais são do que indícios deixados no lugar de outro defeito anteriormente existente na região operada. Se houver uma evolução desfavorável da cicatriz, desde que a intervenção tenha sido realizada sob padrões técnicos, cientificamente aceitos, deverá ser investigado se o seu organismo é que não reagiu como se esperava.Outro fator importante às cicatrizes e a sua evolução.Três períodos caracterizam o processo de maturação de uma cicatriz (período esses que poderão variar de tempo, dependendo de fatores individuais como: a região operada, espessura da pele, substâncias tóxicas, hormônios etc.).O período imediato vai até o 30º dia após a cirurgia; o período mediato vai do 30º dia até o 8º ou 12º mês; período tardio, após o 12º mês. Apesar da maioria já apresentar cicatrizes maduras nos 12 primeiros meses, alguns(as) pacientes apresentam modificações do aspecto cicatricial até mesmo após o 18º mês.

É importante o esclarecimento, ainda, sobre os seguintes pontos:

a) Poderá haver inchaço na área operada que, eventualmente, permanecerá por semanas, menos freqüentemente por meses e, apesar de raro, poderá ser permanente.

b) Poderá haver alteração da pigmentação cutânea com aparecimento de manchas ou descoloração nas áreas operadas que poderão permanecer por alguns dias, semanas, menos freqüentemente por meses e raramente permanentes.

c) A ação solar ou a iluminação fluorescente poderão ser prejudiciais, no período pós-operatório.

d) Poderá haver líquidos, sangue e/ou secreções acumuladas nas áreas operadas, requerendo drenagem e/ou curativos cirúrgicos e/ou revisão cirúrgica em uma ou mais oportunidades.

e) Poderá haver áreas da pele, em maior ou maior extensão, com perda de vitalidade biológica, por redução da circulação sanguínea, acarretando alterações, podendo levar a ulcerações e até necrose da pele, que serão reparáveis através de curativos ou até em novas cirurgias, objetivando resultado mais próximo possível da normalidade.

f) Poderá haver áreas de perda de sensibilidade nas partes operadas. Tais alterações poderão ser parciais ou totais por um período indeterminado de tempo e, apesar de raro, poderão ser permanentes.

g) Poderá haver dor ou prurido (coceira, ‘ardor) no pós-operatório em maior ou menor grau de intensidade por um período de tempo indeterminado.

h) É certo que tabagismo, uso de tóxicos, drogas e álcool são fator que eventualmente não impedem a realização de cirurgias, mas podem determinar complicações pós-operatórias.

i) É sabido que durante o ato operatório existem aspectos que não podem ser previamente identificados e, por isso, eventualmente necessitarão procedimentos adicionais ou diferentes daqueles inicialmente programados.

j) Caso haja necessidade de cirurgias complementares para melhorar o resultado obtido ou corrigir um insucesso eventual, está claro que os custos de material, da instituição hospitalar e de anestesia não são de responsabilidade do cirurgião e sim do paciente, mesmo quando não se estabeleçam honorários profissionais.


Assim é que, as perguntas mais freqüentes sobre esta cirurgia são:

 A CIRURGIA DA ORELHA EM ABANO DEIXA CICATRIZES? A cicatriz desta cirurgia é pouco visível, por localizar-se atrás da orelha, no sulco formado por esta e o crânio. Além do mais, como se trata de região de pele muito fina, a própria cicatriz tende a ficar imperceptível, mesmo em algumas técnicas que utilizam pequenas incisões na face anterior.

Certas pacientes podem apresentar tendência à cicatrização inestética (cicatriz hipertrófica e quelóide). Este fato deverá ser discutido, durante a consulta inicial, bem como suas características familiares. Pessoas de pele clara tendem a desenvolver menos freqüentemente este tipo de cicatriz.

Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar tais cicatrizes inestéticas, na época adequada. A cicatriz hipertrófica ou quelóide, não devem ser confundidas, entretanto, com a evolução natural do período mediato da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida durante seus retornos pós-operatórios, quando teremos a oportunidade de fazer a avaliação da fase em que se encontra.

EXISTE CORREÇÃO PARA CICATRIZES HIPERTRÓFICAS? Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar tais cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, o “período mediato” da cicatrização normal (do 30º dia até o 12º mês) como sendo uma complicação cicatricial. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução deverá ser esclarecida com seu médico.

QUAL O TIPO DE ANESTESIA? Crianças: geralmente com anestesia geral. Adulto: geralmente anestesia local com ou sem sedação.

QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO? Meio período até um dia, dependendo do tipo de anestesia e idade do (a) paciente.

QUANTO TEMPO DEMORA O ATO CIRÚRGICO? Geralmente em torno de 90 a 120 minutos. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

HÁ PERIGO NESTA OPERAÇÃO? Todo ato médico inclui no seu bojo, um risco variável e a Cirurgia Plástica, como parte da Medicina, não é exceção. Pode-se minimizar o risco, preparando-se convenientemente cada paciente, mas não eliminá-lo completamente.

 HÁ DOR NO PÓS-OPERATÓRIO? Certo incômodo poderá ocorrer no pós-operatório.Quando houver esta intercorrência, ela é combatida com analgésicos comuns.

COMO É O CURATIVO? Protege-se a orelha (principalmente em crianças), nos primeiros dias, com uma espécie de touca, a fim de evitar traumatismos locais. Em alguns casos, recomenda-se o uso das faixas tipo “ballet” ou “tênis” durante as 2ª semanas, ou mesmo curativo do tipo envoltório com faixa de crepe.

QUANDO SÃO RETIRADOS OS PONTOS? Em torno do 10º ao 14º  dia.

 EM QUANTO TEMPO SE ATINGIRÁ O RESULTADO DEFINITIVO? Assim que se retira o curativo já teremos em torno de 80% do resultado almejado. Após 12 semanas, o resultado será definitivo.

NÃO HÁ RISCO DE “ VOLTAR O ABANO “ APÓS A CIRURGIA? O resultado é geralmente definitivo, mas como tudo em medicina não se pode dar garantia de resultado.

Tempo de Duração: de 1 a 2 horas. Tempo de Internação: de 12 a 24 horas. Curativos: mantido por 1 a 5 dias, dependendo da rotina do cirurgião. Incisões: as incisões são muito pequenas e se localizam atrás das orelhas para que a cicatriz fique “escondida” pelos cabelos. Cicatrizes: muito discretas, geralmente inaparentes. Pontos: a retirada é feita, de maneira geral, em uma ou duas semanas.


Antes e depois da Otoplastia

Os cuidados antes e depois da otoplastia são muito importantes tanto para um resultado satisfatório, quanto para a segurança do paciente.

Antes da cirurgia (pré-operatório) Suspender o cigarro e outras substâncias que possam atrapalhar a cicatrização como anticoagulantes. Além disso, é preciso que se faça uma série de exames para saber se o paciente está apto para realizar o procedimento em segurança, tais como: – Eletrocardiograma; – Coagulograma; – Raio X de tórax; – Hemograma Completo.

Principais cuidados antes da cirurgia – Em caso de gripe ou de infecção, o cirurgião plástico deve ser avisado com antecedência; – Suspender o uso do álcool, cigarro ou drogas antes da cirurgia; – Suspender uso de medicamentos para emagrecimento e principalmente remédios à base de ácido acetil-salicílico (Aspirina, Melhoral, AAS) ou qualquer outro medicamento com ação anticoagulante; – Analgésicos à base de dipirona e de paracetamol podem ser utilizados; – Avisar o médico quanto ao uso de anticoncepcionais orais ou injetáveis. Pode ser necessário suspendê-los 30 dias antes da cirurgia;

Depois da cirurgia (pós-operatório)

Embora fenômenos como edema (inchaço), equimoses e algum grau de inflamação sejam naturais, alguns cuidados podem amenizar a sua ocorrência e minimizar a possibilidade de outros problemas, como cicatrizes hipertróficas, quelóides, assimetrias, hematomas, etc.

Um pós-operatório bem feito é fator determinante para o sucesso da cirurgia. Para saber mais sobre o assunto, veja nosso artigo sobre pós-operatório em cirurgia plástica.

Para o bom resultado da otoplastia, uma recomendação muito importante é com relação a faixa que se usa após a cirurgia, principalmente ao dormir. Esta faixa é parecida com a faixa de um tenista e envolve a cabeça por um tempo para evitar que as orelhas se afastem do crânio ou não fiquem simetricamente posicionadas.

É importante lembrar que algum grau de assimetria é esperado, pois nada é absolutamente igual na natureza. Observe que sempre temos uma sobrancelha mais baixa que a outra, que sempre temos um braço mais fino que o outro e que tudo mais que for comparado mostrará alguma diferença. (saiba mais em nosso artigo sobre simetria em cirurgia plástica).

Principais cuidados depois da cirurgia

  • Repouso em casa mínimo de 2 dias;
  • Evitar baixar a cabeça por dez dias;
  • Curativos e retirada dos pontos podem ser feitos no consultório, geralmente uma semana após a cirurgia;
  • Cabelos podem ser penteados e lavados já nos primeiros dias após a cirurgia;
  • Os primeiros banhos devem ser cuidadosos;
  • Evitar exposição solar por pelo menos 30 dias;
  • Não fazer esforço carregando peso por 30 dias;
  • Uso da faixa para dormir por 30 dias em média (existem variações de acordo com a técnica de cada cirurgião);
  • Academia e exercícios físicos devem ser reiniciados progressivamente a partir de 30 dias com caminhada e exercícios leves.
  • Recomendações sobre a cirurgia de orelha de abano

     A) PRÉ-OPERATÓRIO:

    1) Obedecer às instruções dadas para a internação.

    2) comunicar qualquer anormalidade que eventualmente ocorra, quanto ao seu estado geral.

    3) Na eventualidade de se optar pela anestesia geral, vir “ em jejum absoluto “ de no mínimo 8 horas e não trazer objetos de valor para o hospital.

    4) Vir acompanhada para a internação.

    5) Alimentação livre, a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas (carnes, leite, ovos) e vitaminas (frutas).

    B) PÓS-OPERATÓRIO

    1) Brincos, piercings: Devem ser evitados por pelo menos 1 mês

    2) Curativo : Durante 48 horas

    3) Faixa: À noite,  por 2 semanas

    4) Óculos : devem ser evitados por pelo menos 1 mês


    Ficha técnica

  • Anestesia: local ou local com sedação;
  • Local da cirurgia: hospital ou clínica com infra-estrutura adequada;
  • Tempo de duração: 30 a 90 minutos;
  • Tempo de internação: 0 a 12 horas;
  • Inchaço: a maior parte melhora em uma a duas semanas;
  • Pontos: pode não haver. Quando existem, são removidos em torno de 7 dias;
  • Trabalho: após 3 a 7 dias, dependendo da atividade profissional;
  • Dirigir: após 2 dias semana, dependendo da extensão da cirurgia;
  • Suporte: faixa tipo tenista para dormir por 30 dias;
  • Exercícios físicos: 3 a 4 semanas;
  • Exposição ao sol: não tomar sol durante 2 a 3 meses;
  • Resultado final: 3 a 6 meses.